Publicado em

cabear,lançar, puxar e organizar cabos parte 2

                                      O acordo

                               Os acordos facilitaram a minha vida, entretanto,  Como foi exposto na postagem anterior, cabear, lançar e organizar cabos é uma arte, e foi com esta arte que eu consegui executar o serviço contratado em uma casa onde foram consumidos mais de 2.500 m de cabos RG-06 celular. Sim senhores, 2.500 m de cabo utilizados em uma casa  é um número astronômico na minha opinião.

Os obstáculos da instalação 

                       Principalmente tendo que trabalhar no sentido contrário, debaixo para cima (do rack de telecom no subsolo para os pontos de tv), usando uma eletro-calha sobre o gesso, sem cortar o gesso, sem sujar a pintura, sem aranhar tábuas corridas dos pisos, sem furar as paredes e dentro de um prazo de 08 dias corridos enquanto o proprietário viajava

        Não foi fácil amigos, mas consegui graças a habilidade de cabear, lançar e organizar os cabos dentro do prazo estipulado. Para tal, tive que fazer acordos de quantos buracos eu poderia fazer no gesso, ficou acertado o seguinte:

  1. a) Usar sempre as aberturas existentes das luminárias (tive que desmontar várias luminárias pelos corredores).
  2. b)  Somente em último caso, ou seja,  quando não existisse aberturas de luminárias nos corredores, estava autorizado a abertura de um buraco no gesso, um por andar.

        Uma coisa não foi mudada, a gravidade, como eu disse antes tive que lançar os cabos de baixo para cima, não teve acordo. Ficou pesado, mas executei este trabalho em parceria com o meu amigo J.L. Foi árduo o trabalho, mas chegamos lá, eram aproximadamente 25 pares de cabos coaxiais RG-06 com metragens mínimas de 50 e metragens máxima de 120m, tivemos que usar vaselina sólida e tomar muito cuidado para não partir os cabeamentos existentes de alarme patrimonial, CFTV e demais circuitos. Em alguns trechos tivemos problemas com obstruções sérias como vigas, paredes e pilares.

                                 Em alguns corredores não era possível trabalhar por causa do tratamento do piso, tivemos que improvisar vários recursos suspensos, em outros corredores tivemos problemas com armários embutidos, caixas de passagens obstruídas e calhas cortantes, não foi moleza.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *